As posições de liderança precisam de mais mulheres, diz Elisa Bastos

 em Liderança

O fato de uma mulher ocupar um cargo de chefia deve ser normalizado a ponto de não ser mais manchete de jornal

O avanço da participação feminina em posições de liderança no mercado de trabalho brasileiro ainda é tímido. É inequívoca a existência de obstáculos que dificultam a ascensão das mulheres a cargos que estão qualificadas para assumir.

Atualmente, elas são a maioria em cursos de graduação e pós-graduação. Segundo dados do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), as mulheres representaram 59% dos matriculados e 62% dos concluintes dos cursos de graduação em 2017.

Logo, é perceptível que as mulheres vêm se capacitando com o intuito de alcançar melhores oportunidades no ambiente de trabalho. No entanto, apesar de as mulheres representarem 44% dos Servidores Públicos Federais Civis Ativos do Poder Executivo, ocupam apenas 21% dos cargos mais altos.

É preciso, portanto, reconhecer que, culturalmente, a liderança em si é marcada pelo gênero masculino, de modo que as mulheres tendem a ter mais dificuldades em se enxergar e serem enxergadas como líderes, uma vez que o modelo mental de liderança é vinculado a grandes homens e não a grandes mulheres.

Esse é um viés inconsciente que a sociedade precisa ressignificar para, então, reconhecer o potencial de liderança de uma mulher, e assim, legitimá-la como líder.

A ocupação por mulheres dos cargos de liderança e o aumento de sua inserção no mercado de trabalho não devem mais ser tratados como exceção ou surpresa, mas como estratégia de desenvolvimento econômico. O empoderamento econômico das mulheres não é relevante apenas para elas, mas para a sociedade como um todo.

É desejável, portanto, que a diversidade permeie todos os níveis hierárquicos das organizações, pois um corpo de trabalho diverso reduz o efeito do “pensamento de grupo”, ou seja, quando um ambiente está dominado apenas por um grupo social, que partilha as mesmas origens, crenças, e formação profissional, e acabam por partilhar ideias e soluções similares.

Ao acrescentar perspectivas diferentes no mercado de trabalho, ampliamos o leque de ideias e de soluções para os problemas a serem enfrentados. Assim, a inserção das mulheres torna-se fundamental para garantirmos essa diversidade intelectual.

No setor de energia elétrica, reconhecido por ser dominado por homens, as mulheres ocupam 22% dos cargos de gerência em todo o globo. No Brasil, o setor elétrico ganha, paulatinamente, novos contornos em relação à questão de gênero e, por esse motivo, tem-se noticiado, cada vez mais, a indicação de mulheres altamente qualificadas para ocupar cargos decisórios no setor.

No entanto, ainda há um longo caminho a ser trilhado. Quando a escolha de uma mulher para um cargo de liderança deixar de ser manchete de jornal, saberemos que a assimetria entre homens e mulheres no mercado de trabalho e em espaços de poder foi superada.

Autores: Elisa Bastos

Elisa Bastos Silva, 35 anos, é diretora da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). Formada em Análise de Sistemas com mestrado e doutorado em Planejamento de Sistemas Energéticos pela Faculdade de Engenharia Mecânica na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), há 14 anos atua no setor elétrico brasileiro tendo em seu currículo passagem pela assessoria especial de Assuntos Econômicos do Ministério de Minas e Energia e pela Enel Goiás (Companhia Energética de Goiás).

Link: https://bit.ly/2TG0eA8

Postagens Recentes

Deixe um Comentário

Contate-nos

QUEREMOS CONHECER SEU PROJETO!
Solicite nosso contato.

Não pode ser lido? Mude o texto. captcha txt